• (0)
    ISO-14001-blog

    Base de conhecimento ISO 14001

    Gestão de Riscos na ISO 14001:2015 – O que, por que e como?

    A versão 2015 da norma ISO 14001, que será lançada este ano, fala sobre uma confiança extra na gestão e avaliação de riscos, que substituirá o atual processo de “ação preventiva” empregado pelas organizações em conformidade com a ISO. Assim, esta mudança é concebida para probmover e provêr um ambiente de melhoria contínua, que é o coração das normas ISO, mas o que o termo “prevenção e gestão dos riscos” significa para você e sua organização?

    Antriormente, olhamos para o papel de gestão de riscos na ISO 14001:20015 (veja O papel da gestão de riscos na norma ISSO 14001:2015), mas examinemos mais cuidadosamente exatamente o que constitui “risco” em termos da norma 14001:2015.

    Como definimos “risco”?

    A ISO 31000 é uma norma ISO concebida especificamente para lidar com a gestão de riscos, e ela define “risco” como “o efeito da incerteza sobre os objetivos”. A partir desta descrição, é fácil imaginar como quaqluer tipo de risco definível pode ter um efeito negative nos indicadores de desempenho, que são efetivamente os “sinais vitais” de uma organização, assim como um efeito negativo no ambiente como um todo.

    O risco pode vir sob muitas formas, por exemplo incertza financeira, falha de projeto, aspectos de segurança, competição, problemas de tecnologia, os efeitos no ambiente causados pelas operações realizadas pelo seu negócio, sejam resíduos produzidos, emissões perigosas, ou consumo de energia. Assim, é sensato que o rascunho da norma internacional ISO 14001 busque adicionar ênfase e importância extras para este aspecto, que potencialmente afeta todo negócio e seu impacto no ambiente. Mas, como estas mudanças nos afetarão e ao nosso Sistema de Gestão Ambiental diariamente?

    Identificando “riscos” dentro de um Sistema de Gestão Ambiental

    Tradicionalmente, muitas organizações usaram a avaliação de riscos e ações preventivas para tentar controlar o desempenho ambiental e prevenir quaisquer aspectos ou riscos de se tornarem tangíveis de forma a afetar os resultaods da organização, e criticamente, o ambiente. Riscos deveriam ser identificados de forma similar aos sistemas da qualidade ou saúde e segurança, usando avaliações de ameaças, impacto, proabilidade, vulnerabilidades, e assimpor diante. Em muitas organizações isto seria responsabilidade do representante ambiental, e em alguns casos este empregado estaria trabalhando quase sozinho para identificar e mitigar riscos contra o desempenho ambiental de uma organização. A versão 2015 da norma 14001 mudará isto em três formas críticas:

    • Maior liderança a partir da alta direção
    • Ações preventivas substituídas pelo risco
    • O foco na prevenção do risco

    Toda organização precisa de um processo e cronograma chaves de avaliação de risco como antes, mas as entradas da alta direção são agora desejáveis durante om processo, ao invés de potencialmente serem deixadas para um indivíduo dentro da organização. Assim, deveria se tornar normal para a equipe da sua alta direção atuar de forma muito mais ativa na identificação de onde suas áreas de risco estão. Talvez reuniões regulares de “identificação de riscos” com a sua equipe da direção fossem uma boa idéia? Ou convidar um membro da sua alta direção para reuniões mensais ou trimestrais para prover entradas para a identificação de riscos? Isto proveria um cenário mais preciso e complete dos riscos dentro da sua organização e do seu SGA.

    O processo de gestão e prevenção de riscos também deveria ser conduzido pela alta direção, em oposição ao representante da qualidade ou Gerente do SGA, o que deveria permitir trazer um escopo mais amplo de conhecimento e habilidade para o processo de prevenção de riscos – afinal, é bem possível que o Diretor Geral e o representante do SGA tenham perspectivas diferentes sobre o que constitui um risco imediato para a sua organização, e esse compartilhamento de visões é uma melhoria em sua habilidade de identificar e eliminar riscos.

    Para saber sobre a razão do por quê a avaliação de riscos substituiu as ações preventivas, leia este artigo: O papel da gestão de rsicos na norma ISO 14001:2015.

    Como e quando eu posso implementar estas mudanças?

    Por que não começar agora? Se você já é acreditado na ISO 14001, então você já tem um processo de avaliação de riscos e de auditoria interna estabelecido. Você pode contar com a ajuda e obter o comprometimento da sua própria equipe de gestão ao conduzí-los através das mudanças explicadas acima. Use-os para identificar os riscos percebidos por eles. Melhore o seu processo de gestão de riscos com base nestas discussões, uma vez que melhoria contínua constante também é uma chave para o processo. Você pode dar prioridade a gestão de riscos, em termos de tempo e inteligência gastos, que ações preventivas não recebiam anteriormente em seu Sistema de Gestão Ambiental. Desta forma, você estará pronto para estar em conformidade com a nova norma, enquanto melhora o desempenho do seu negócio e remove riscos ao ambiente ao mesmo tempo. Certamente isto só pode ser uma boa coisa para todos.

    Clique aqui para ver uma prévia gratuita do Procedimento para identificação e avaliação de aspectos ambientaisque lhe dará uma visão gerak de como gerir riscos no SGA.

    Advisera John Nolan
    Autor
    John Nolan
    John Nolan is a Fellow of the Institute of Leaders and Managers in the United Kingdom, and Prince 2 accredited with a background in Engineering and Electronics and Data Storage and Transfer. Having studied and qualified as both a Mechanical and Electronic Engineer, he has spent the last 15 years designing and delivering Quality Systems and projects across many sectors in the UK, including both national and local government.